17 de Dezembro de 2014

Os livros cresceram junto comigo

Posted in Ler faz crescer às 17:29 por sidneif

Por TALITA MORETO*

Retrato de sua filha em Gorey, [Julie Manet]

“Retrato de sua filha, Julie Manet, em Gorey” (1886), da francesa  Berthe Morisot (1841-1895).

Os livros chegaram cedo às minhas mãos pequenas. Com poucos anos de vida, vários títulos transitavam pela minha casa. Isso porque meus pais sempre colocaram livros e outros tipos de leitura à nossa disposição (minha e da minha irmã). Não lembro de nenhum deles (meus pais) lendo para mim ao pé da cama, mas eu recordo bem de tentar ler mesmo sem conhecer as palavras e, aos poucos, decifrar os códigos lendo diversas vezes a mesma história.

 Conforme eu crescia os livros “cresciam” junto comigo e as histórias adaptavam-se à minha idade. Na adolescência (dos 11 aos 14 anos, mais precisamente), eu lia muito. Acredito ter lido todos (ou quase todos) os títulos de Pedro Bandeira. Eu tive sorte, eu sei, por frequentar uma escola que possuía uma biblioteca farta.

 Recordo de um sábado no qual eu acordei e, sem levantar da cama, peguei o livro que estava ao lado e o li todinho antes do almoço. Na tarde do mesmo dia eu li mais dois livros. Mas não tente fazer isso se você tem mais de 30 anos. Livros para adolescentes de 12 anos são compostos por 100 ou mais páginas cobertas com letras grandes. Sendo assim, é compreensível ler muito em pouco tempo.

 O fato é que com 12 ou 13 anos eu lia, em média, dez livros por bimestre. Eu retive essa informação na memória porque minha professora de Língua Portuguesa cobrava, por meio de questões na prova bimestral, a leitura de no mínimo três títulos. Foi na sala de aula que eu encontrei mais incentivo para ler.

 Bom, com 13 anos eu achei que tinha capacidade suficiente para escrever um livro, já que, com essa idade, eu fazia centenas de poesias. Comecei então a escrever um livro – e o terminei! Ele ainda existe – na gaveta, ou melhor, no computador. Nunca publiquei, mas eu posso dizer que escrevi um livro aos 13 anos. Quem sabe um dia ele saia do HD.

 Hoje eu continuo lendo, não da mesma forma, nem mesmo três livros por bimestre, e não são todos os livros feitos de papel. A leitura mudou porque eu mudei, mas posso afirmar que os livros continuam “crescendo” junto comigo.

*Talita Moretto, jornalista especialista em Tecnologias na Aprendizagem, coordenadora de Programa Jornal e Educação, atuando na interface mídia e educação desde 2008. Autora do blog Sala Aberta. Contato: talitamoretto@salaaberta.com.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: