13 de Março de 2014

A mágica biblioteca

Posted in Ler faz crescer às 17:15 por sidneif

Por ELYANDRIA SILVA*

"Moça com Livro",  pintura de Almeida Júnior (1850-1899).

“Moça com Livro”, tela de Almeida Júnior (1850-1899).

Não sei de que modo ela  se formou, pois quando me conheci por gente já existia na sala de televisão da nossa casa. Todos aqueles livros alinhados na estante da sala formavam uma mágica biblioteca familiar. Era algo normal como se todas as casas tivessem que ter uma biblioteca. Minha mãe era professora e nos trazia livros, revistas infantis, enciclopédias e gibis. Também ganhava livros, e tudo ia para a estante. Há vinte e cinco anos, numa pequena cidade do interior, era difícil adquirir livros, e a mãe era nossa “ponte” para o mundo da leitura e do conhecimento, para um mundo secreto de novas aventuras.

Com seis anos aprendi a ler e ganhei meu primeiro livro, Éramos Seis, de Maria José Dupré (1905-1984). Esse foi meu primeiro grande momento como leitora, foi a primeira história, a primeira vez que não conseguia parar de ler, página após página. Até hoje a guardo na memória como se os fatos narrados tivessem acontecido de verdade, os personagens ainda estão vivos. Depois desse livro nunca mais parei de ler. Adolescente, passei a frequentar a Biblioteca Pública Municipal, tornando-me uma leitora assídua.

Hoje a leitura e a escrita tornaram-se meu trabalho, profissão e paixão. A entrada na literatura, aos seis anos de idade, foi o primeiro passo de uma longa caminhada que trilho como escritora e editora de livros e que continuará até o final da minha vida.

*Elyandria Silva, editora de livros na “CAMUS Editora”, cronista do jornal “O Correio do Povo”, autora dos livros: “Fadas de Pedra” (Design – Contos), “Labirinto de Nomes (Moleskine – Crônicas), “Um lugar, Versos e Retalhos” (Design – Poesia) e ministrante de  oficinas de crônicas.
Anúncios

11 de Março de 2014

A vida aberta

Posted in Ler faz crescer às 15:58 por sidneif

Por MAURICIO MURAD*

"Por Cima da Cidade" (c.1914-1915), pintura de Marc Chagall (1987-1985).

“Por Cima da Cidade” (c. 1914-1915), pintura de Marc Chagall (1987-1985).

O Amor nos Tempos do Cólera, de Gabriel García Márquez, é um livro que deixou em mim marcas profundas, pela delicadeza e emotividade do texto.

A trama, a construção das personagens e a vida aberta assim numa fidelidade amorosa ímpar me impressionaram longamente.

Como Garcia Marques escreve bem, como descreve bem e como inscreve em corações e mentes a palavra certa em significado e sentidos.

Penso que é um livo pra ser lido e… relido, tamanha as nuances a serem descobertas e até mesmo redescobertas.

Ao jeito de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), eu diria que é um livro que tem a capacidade de despertar os homens, mas que pode também fazer dormir uma criança.

*Mauricio Murad, sociólogo e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).